27/07/2008

BANDANOS - ENTREVISTA

O Bandanos é uma das grandes bandas do underground nacional,sempre muito bem aceitos onde quer que pisem!ai vai uma entrevista feita com o Cris amigo de longa data,e nos cruzavamos pelas estações de trem da cidade como citado por ele logo adiante,cara e isto faz muito mas muito tempo mesmo,e é gratificante ver tudo que este cara tem conquistado,e continua sendo o mesmo cara de sempre.obrigado cris por atender o visual agression com muito respeito.
CROSSOVER IS BACK 1-olá Cris,como surgiu a idéia de formar o Bandanos?
Cris: Salve todos os leitores do blog Visual Agression, do grande amigo de velha data, Ricardo. Muito bom estar aqui com ele nesse novo trabalho. Pô, essa pergunta de novo nãaaaaaaaaaaaaaaaaaaoooooooooooo! Bom vai lá. Foi em 2003 quando o Ruy (No Violence - RIP), Luciano (Point of no Return - RIP) e o Papa (na época no Questions), em uma sala de chat de internet ficavam zuando em fazer uma banda igual ao SUICIDAL antigo e demais bandas da época. O Ruy o mais palhaço de todos, dizia: ok! Vamos fazer mais tem que ser uma banda que “abrace” a idéia toda e use o visual e o caramba... Foi meio que assim, foi rolando ensaio e uma hora eu acabei entrando no baixo. Ruy decidiu sair e eu fui para os vocais e estamos aqui até hoje...
2-quais são os lançamentos da banda até agora?
Cris:

Split CD w/ Bitting Socks – Thrash Life Style Records – Mexico – 2008


Thrash Attack do Brazil Comp. 7" – Offside Records – France – 2008


We Crush your Mind with the Thrash Inside CD – Pecúlio Discos, Cospe Fogo Gravações, 625 Thrashcore – Brazil/USA – 2007


Thrash from the Dead CD Split – 625 Thrashcore, Delinquent Recs., Positive Damage, No Class Recs. - USA - 2007. LP Version - Bucho Discos, Raw Recs., 78 Life - Brazil 2007


Bandanos - K7 Demography – Delinquent Recs. - USA - 2006


Justiça das Ruas - Demo – 2005 - SOLD OUT

Bandanos – demo – 2003 – SOLD OUT

3-sinto algumas semelhanças entre o Bandanos e o velho Accused. Desde o vocal, capa, e até um dos logos do Accused. Seriam eles a principal influencia para o Bandanos?
Cris: A principal da banda em si eu acho que não. Seria nesse caso o SUICIDAL TENDENCIES da velha fase, assim como o NO MERCY. Mas a minha referência principal sim. Eu sou um grande fã do Accused. Sempre achei incrível toda a concepção de arte da banda, letras, o lance da “Martha Splatterhead”, e jeito do Blaine cantar... Quando eu tocava baixo, em uma das músicas eu fazia os ”backin vocal” deste jeito, com o timbre meio “imitando” ACCUSED. Algumas pessoas ouviam e diziam que eu devia cantar daquele jeito em uma banda... Acabou que o Ruy quis sair e coloquei a idéia em prática. Mas o lance do vocal mais uma vez também vou dizer que não é uma “exclusividade” do ACCUSED, pois outras bandas como CORROSION OF CONFORMITY, CONDEMNED ATTITUDE, NEGAZIONE, BEYOND POSSESSION, AGNOSTIC FRONT entre outras já tinham esse “jeito” de se cantar em alguns de seus álbuns, bandas essas que também nos influenciam, o ACCUSED eu acho que é só a referência mais explícita apenas.
4-falando nisso, o que te inspirou a tocar um dia meu chapa?
Cris: Bom, legal essa pergunta. Acho que nunca respondi isso antes. Eu não sei ao certo, mas foi algo que persegui com muita insistência... Minha família sempre achou (e ainda acha) uma merda esse lance de música, gostar de rock, tocar, ser músico, enfim qualquer coisa neste sentido... Eu nunca tive incentivo nenhum pra qualquer coisa dessas. Mas eu que desde os 12/13 anos de idade era fascinado por “rock” sem mesmo ao certo saber o que aquilo realmente significava. Já colecionava discos, e pirava geral em heavy metal. Coloquei na cabeça que queria tocar contrabaixo e fui juntando toda sorte de dinheiro que eu conseguia arrumar pra comprar um. Vendi cartuchos de vídeo games, um relógio de pulso, e tudo mais que eu conseguia e guardei cada centavo que me era doado pra fazer qualquer coisa, e acabei comprando meu primeiro DOLPHIN numa loja de instrumentos... Lembro que eu ia umas duas vezes na semana olhar aquele contrabaixo e enquanto não foi meu não sosseguei... Bom vencida a primeira parte aí estava a segunda e não tão menos difícil... Aprender a tocar. Isso foi foda, pois como não rolava grana pra fazer aula e tive que me virar por um tempo até que devido ao grande esforço de minha parte acabei ganhando um curso da minha família e aprendi o básico da coisa... Ai já viu... Moleque roqueiro e nerd, só tinha isso pra fazer o tempo todo. Tocar, ouvir som, tocar... Acabei conhecendo pessoal de bandas na cidade de São Roque/SP, onde eu estudava, pessoal que tocava em bandas como SxCxHxAxRxRxOxUxSx, Youth Against the Conformity, Dischord e outras... Foi lá que montei minhas primeiras bandas, fiz zines, organizei shows, conheci pessoal de outros lugares e bandas, etc... Essas coisas você sabe como é, quando vê já está envolvido até o osso... E cá estou eu, e isso porra ! Já faz muito tempo... Tô mesmo ficando velho.
5-qual a diferença de hoje, para outras bandas em que você tocou anteriormente?
Cris: O Bandanos é formado por pessoas que assim como eu já tiveram “N” outras bandas, assim como já tem sua própria “história” dentro do contexto de “cena” e essa coisa toda. Acho que a palavra chave seria “comprometimento”. Bandanos eu coloco entre as cinco prioridades atuais da minha vida. É diferente você ter uma banda com 30 anos depois de ter alcançado sua independência e não ter que dar satisfações pra ninguém do que quando você tem 15 e tem que ficar dando satisfação de cada passo que você dá pra várias pessoas... Acho que você sempre quanto monta uma banda quer que tipo “ela dê certo”, mas N fatores acabam minando de uma forma ou de outra esse “trabalho” e na maioria das vezes ele acaba. Cada banda que tive/toquei foram pra mim um aprendizado e cada uma delas tem um significado especial nas minhas memórias, por isso molecada, não desanimem ! Produzam! Façam bandas, toquem, escutem rock pesado... Se não der certo da primeira, insistam façam de novo, tentem novamente... O rock vai lhes dar experiências inesquecíveis e bem “reais”, ao contrário da vida plástica e padronizada que a maioria das pessoas passa vida inteira perseguindo...
6-como você vê a cena crossover nacional?Acredita que exista uma?Quais bandas novas e velhas vc destacariam hoje em dia?
Cris: Não acho que exista uma cena crossover propriamente dita. Há cenas metal e hardcore/punk e indivíduos de ambos os lados produzindo bandas desse estilo. A cena nacional atual em geral está incrível, me impressiona em alguns shows a qualidade das bandas ao vivo, parece que pessoal ta tocando cada vez melhor, sei lá, alguma coisa assim, e em alguns casos até a estrutura oferecida em alguns eventos do meio alternativo. São dezenas de ótimas bandas que não deixam nada a desejar as de outros países pelo contrário, primam pela originalidade em alguns casos e pelo “jeito brasileiro” de se tocar. Isso vale tanto para bandas novatas de molecada quando para as velhas bandas que nos promovem shows cada vez mais insanos... As minhas duas bandas preferidas da atualidade são o VIOLATOR de Brasília e o HATE YOUR FATE do Cascavel no Paraná. Mas eu posso citar dezenas de outras bandas entre vários estilos que são fantásticos e tem ótimos sets ao vivo como: VIOLENT ILLUSION (São Carlos/SP), BOMB THREAT (ABC), FLAGELADOR (SP), NUCLEAR FROST (SP), LOWLIFE (BSB), SLAVER (BSB), DISFORME (BSB), CRIMINAL MOSH (SP), ALARME (RJ), SOCIOFOBIA (Goiânia), MORTOS PELA ESCOLA (Vila Velha), X-PUNCH (SP), L´ENFER (SP), O CUMPLICE (SP), BUZZCOPS (SP), BLASTHRASH (SP), CONFRONTO (RJ), DER (SP), AÇAO DIRETA (ABC), SOCIAL CHAOS (ABC), LOBOTOMIA (SP), PRESTO? (SP), DISCARGA (SP), BYWAR (Sorocaba), FARSCAPE (RJ), WC MASCULINO (Goiânia), INFAMOUS GLORY (SP), INFECTED (SP), KREMATE (SP), SUBTERA (SP), ATROZ (SP), EM CHAMAS (Itapevi/SP), SxOxHxCx (Ibiúna/SP), EX INFERIS (Vila Velha/ES), DISARM (interior de SP), JUSTIÇA (SP), WARHEAD (SP) DxFxCx (BSB), FATAL BLOW (Camboriu/SC), FIDEL SLAM DANCER (SP), PLAGUE RAGES (SP), CYCOTIC MIND (SP), CATÄRRÖ (nordeste), CELEUMA (São Roque/SP), enfim dezenas de ótimas bandas produzindo e fazendo ótimos trabalhos, algumas à décadas outras a poucos meses, mas que em todos os casos merecem ser prestigiados...
7-alguns músicos do Bandanos são comprometidos com outros projetos, como fazem para gerenciar tudo de forma que todas as partes tenham as atenções devidas?
Cris: Bom, realmente tentamos conciliar a coisa do melhor jeito possível, mas tem horas que simplesmente não dá ! Esse ano, por exemplo, vamos deixar de ir para um tour no México por ser impossível conciliar a banda com as obrigações do dia-a-dia. Tivemos que optar pelo Chile por ser um tour curto que não vai nos tomar muitos dias, mas que mesmo assim já nos causa algumas complicações com nossos empregos e essa coisa toda. Mas dentro do possível fazemos o impossível. Tocamos em quase todas as ocasiões em que fomos convidados e já estivemos em vários estados do país assim como dezenas de cidades do interior de SP.
8- bom muito obrigado mano é uma honra para mim!Diga quais os próximos passos para a banda, e deixe algo para o visual agression.
te vejo no role, abraços.

Cris: Valeu a você Ricardo. Ainda me lembro quando éramos vizinhos em Itapevi/SP, e nos cruzávamos na estação de trem “Cimenrita” de visual e ficávamos nos medindo sem trocar idéia. Era muito engraçado aquele radicalismo nosso de ambas as partes, mas acho que em certa época da vida ele também é necessário. Obrigado a todos que ainda tem paciência em ler entrevistas de bandas e ainda compartilham com agente essa vontade de continuar a se levar um velho sonho de moleque em diante. Ao pessoal que ta chegando agora, uma força pra que cheguem junto com agente lá na frente. Abraços. Thrash till Death. Crossover is back. http://www.myspace.com/bandanos

2 comentários:

BlackHammet []Tumullus[] disse...

foda a entrevista!
como sou fã dos caras, sou suspeito pra tecer algum comentario aqui

matador!

visual agression disse...

obrigado,blackhammet,o bandanos é mesmo fóda,continue acompanhando o blog e ajude a divulgalo